Pescados

Muitas vezes não nos damos conta de como as crianças são espertas em suas palavras e acabamos por não apreciar a beleza e o estranhamento presentes em sua fala.

Esta seção se destina a registrar momentos poéticos captados no discurso espontâneo das crianças.

Criança diz cada coisa…

_____________________________________________________

“Língua de criança é a imagem da língua primitiva

Na criança fala o índio, a árvore, o vento

Na criança fala o passarinho…”

Poeminhas pescados numa fala de João, Manoel de Barros

***

“De minha mão dentro do quarto

meu labarizinho

escapuliu – ele priscava

priscava

até cair naquele

corixo.

E se beijou todo de água!

Eu se chorei…”

Poeminhas pescados numa fala de João, Manoel de Barros

***

“Essa mulher que matou os peixes infelizmente sou eu.”

A mulher que matou os peixes, Clarice Lispector

Anúncios

2 Respostas para “Pescados

  1. Maria Fernanda Oliveira

    Eu não sei se é assim que posso acrescentar uma manjubinha a estes pescados, mas lá vai.

    Andando com minha filha de quatro anos.

    1) Nas galerias do metrô:

    — Aqui quando a gente fala, a voz da gente responde.

    2) Na praça:

    — Mãe, tá vendo aqueles dois cachorros ali? (Dois cachorros que se conheciam, farejando-se)
    — Tô.
    — É bom a gente ver as coisas, né?

    3) Na rua:

    Chegando em casa, no comecinho da noite, uma lua quase cheia já brilhava.
    Ela observa:

    — A gente não chegou na hora que a lua ainda ‘tava vazia…

  2. Rejane Xavier

    Ouvi hoje na Prática de Ensino em Educação Infantil duas ótimas!

    1) Conversa entre uma menina e um menino de quatro anos, e a professora:
    – Sabia que eu Te amo? Amo muitão mesmo! – a menina fala ao menino.
    – Ah, que lindo!!! Como se fala? – a professora pergunta ao menino.
    E o menino responde: – Sei lá, eu devo responder alguma coisa?
    Todos se olham…
    – Mesmo assim te amo! – Diz a menina.

    2) Na mesma sala os alunos se preparam para uma atividade de faz de conta coletiva, todos iriam “viajar” para Paris. De repente encontram a Torre Eiffel, e uma aluna ao imaginar que está debaixo da Torre solta:
    – Tenho certeza que não é uma torre, é uma Girafa Gigante!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s